sexta-feira, 11 de junho de 2010

Corrida de revezamento

(Este texto é continuação desse)

Miguel Nicolelis¹ em entrevista ao Estadão.
O Nobel é referência essencial para medir o avanço em determinados campos científicos?

(...) Isso é outra coisa interessante: a gente sempre fala das pessoas que ganharam [o Nobel], mas evidentemente o trabalho delas está focado no trabalho de muitos outros pesquisadores do mesmo laboratório ou de outros pelo mundo afora que contribuíram para a descoberta, mas não aparecem. A ciência, todos nós sabemos, não é feita só por uma ou duas pessoas. É uma longa corrida de revezamento. Ela vai passando o bastão de geração em geração, e geralmente quem está no meio da corrida não tem a oportunidade de ver o final. Mas isso não tira a motivação das pessoas que participam da prova




Em 1964, o jovem Howard Termin propôs a hipótese de que certos vírus, cujo material genético era composto de RNA, faziam síntese de DNA a partir de RNA, usando uma enzima especial. Em 1970, detectaram a tal enzima, batizada de transcriptase reversa (Muito útil, né?). Quarenta anos depois, antirretrovirais prolongam a vida de milhões de pessoas portadoras do vírus HIV. Medir concentrações de cloreto extracelular? Para quê?


ResearchBlogging.org

Marcum, J. (2002). From Heresy to Dogma in accounts of opposition to Howard Temin's DNA provirus hypothesis History & Philosophy of the Life Sciences, 24 (2), 165-192 DOI: 10.1080/03919710210001714373


Continue lendo...

sexta-feira, 4 de junho de 2010

Ciência: corrida de revezamento.

O papel do ânion cloreto e do CFTR na destruição de bactérias Pseudomonas aeruginosa em neutrófilos normais e de pacientes com fibrose cística

ResearchBlogging.org

O título assusta, não? É o título de um artigo (tradução livre), publicado em 2008 no Journal of Leukocyte Biology. Eu e alguns colegas de faculdade temos que apresentar esse trabalho num seminário. Vou colocar alguns trechos da ficha-resumo que fizemos, junto com um glossário para leigos


Glossário:
Neutrófilos - Células do sistema imune. Internalizam (fagocitose) e destroem bactérias. Para isso, usam um ácido (ác. hipocloroso)
Cl- ( Íon Cloreto) - Átomo de cloro com um elétron a mais. É necessário para formar o ácido hipocloroso.
CFTR - Canal presente na membrana dos neutrófilos, que permite a entrada de íons cloreto.
Pseudomonas aeruginosa - Bactéria
Fibrose cística - Doença genética, na qual uma mutação gera defeitos nos canais CFTR e, com o transporte de cloreto afetado, vários sintomas no organismo



Objetivo(s) do artigo:

Investigar o efeito da concentração do íon cloreto extracelular na morte de Pseudomonas aeruginosa por neutrófilos normais e neutrófilos provenientes de pacientes com fibrose cística. O objetivo, portanto, foi investigar o papel do CFTR e do ânion cloreto (Cl-) na destruição bacteriana mediada por neutrófilos.


Hipótese do artigo:
Considerando o processo de formação do ácido hipocloroso (HOCl), que envolve a importação do ânion cloreto do meio extracelular através dos canais de cloro presentes na membrana plasmática (e.g. CFTR), e seu papel na destruição de bactérias Pseudomonas aeruginosa pelos neutrófilos, propõe-se que uma variação na concentração de ânion cloreto extracelular interfira na produção do ácido hipocloroso e, portanto, na morte das bactérias fagocitadas. Além disso, espera-se que canais CFTR defeituosos, o que caracteriza a fibrose cística, acarretem mudanças na importação do íon cloreto, comprometendo a capacidade destrutiva dos neutrófilos.


Neutrophil phagocytosis

Conclusões obtidas (pelos autores):
Foi demonstrado que o nível de cloreto extracelular afetou significativamente a destruição de bactérias mediada por neutrófilos. Os dados indicaram, portanto, que, em qualquer ambiente extracelular com uma oferta suficiente de cloreto, é esperada uma melhoria da função bactericida dos neutrófilos. Neutrófilos de pacientes com fibrose cística apresentaram atividade bactericida reduzida, o que é consistente com a hipótese de que a deficiência no canal CFTR gera uma menor concentração de HOCl intrafagolisossomal e implica na menor eficiência da resposta imune contra bactérias nesses pacientes, acarretando infecções recorrentes. Propõe-se que a doença pulmonar da fibrose cística é uma deficiência inata, resultante da disponibilidade de cloreto para células fagocitárias

Enfim, existe uma doença genética relativamente rara e especula-se que um de seus sintomas (infecções bacterianas recorrentes no trato respiratório) seja decorrente na deficiência de importação, por células do sistema imune, de um íon, cujo canal é defeituoso na doença. Hipótese feita, experimentos realizados, resultados satisfatórios. Os dados finais sugerem fortemente que a hipótese inicial estava correta.

A importação deficitária de cloreto é, realmente, um fator determinante nas infecções bacterianas dos pacientes.

Qual a relevância desse dado para a ciência? Ou melhor, qual a relevância para a humanidade? Qual foi o resultado prático? Por que estamos gastando dinheiro testando a influência de concentrações extracelulares de cloreto quando poderíamos estar procurando "a cura" para a fibrose cística? Ou estamos?

Painter, R., Bonvillain, R., Valentine, V., Lombard, G., LaPlace, S., Nauseef, W., & Wang, G. (2008). The role of chloride anion and CFTR in killing of Pseudomonas aeruginosa by normal and CF neutrophils Journal of Leukocyte Biology, 83 (6), 1345-1353 DOI: 10.1189/jlb.0907658

(Estou ficando craque em fazer posts-pergunta e não os responder. Prometo que não escrevo sobre outra coisa antes de terminar os dois)

Continue lendo...